Uma Mudança Possível

Uma Mudança Possível
J. B. Pontes
A nossa constituição assegura que somos uma República que se instituiu em Estado Democrático de Direito. Portanto, os princípios republicanos e os valores da democracia deveriam ser altamente prestigiados, respeitados e defendidos por todos. Mas eles nunca foram tão desprezados, mesmo por aqueles que mais deveriam defendê-los.
Para termos uma sociedade democrática, precisaríamos ter uma população majoritariamente em condições e interessada no exercício da cidadania. Isto porque ser cidadão não é só ter direitos civis ¬- direito à vida, à liberdade, à propriedade, à igualdade, votar, ser votado, entre outros; mas também, e principalmente, ser cidadão é participar de todos os assuntos de interesse da sociedade. E aí está o nosso grande problema: a falta de preparação, de consciência social e política da maioria do nosso povo.
Foi essa carência de verdadeiros cidadãos que permitiu que ficássemos entregues a uma classe política dirigente majoritariamente corrompida, formada por oportunistas, psicopatas e corruptos, sem nenhum compromisso com o País. O único interesse deles é acumular riquezas, de preferência em dólares depositados em contas bancárias no exterior, e se manter no poder.
A mudança não será fácil, mas é possível. Exigirá uma verdadeira revolução cultural e moral. E a melhor via para provocar essa transformação social é o aprimoramento da nossa democracia, aliada à educação e a conscientização do povo. Mas sabemos que não existe democracia sem a participação de todos; e também que ninguém pode participar sem entender a realidade em que está inserido.
Neste contexto, precisamos melhorar e reorientar a educação formal, que deve se preocupar também com a formação de cidadãos e não só em preparar empregados para os diversos setores da economia. Adicionalmente, precisamos também desenvolver uma educação extra escola, focada na formação de cidadãos. E essa ação só a parcela mais consciente da sociedade, numa atitude de solidariedade e fraternidade, pode desenvolver. É inútil esperar pela iniciativa dos atuais políticos e governantes com esse objetivo.
Por isto, reitero a proposta de formação de organizações da sociedade civil, em todos os níveis, especialmente nos municípios, voltadas à divulgação e ao ensino dos valores e das práticas democráticos, bem como a ajudar as pessoas a conhecerem melhor a sua realidade.
Afinal o nosso povo, que é maioria, precisa tomar conta deste Brasil…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *