Sonho Sim

Sonho Sim
J. B. Pontes

Sonho sim e não tenho vergonha de dizer:
Com o dia em que o homem será capaz de tomar a iniciativa de criar uma empresa, não com o propósito único de lucrar, de acumular e concentrar riqueza para si mesmo ou para o seu grupo familiar restrito, de adquirir poder e de explorar os seus semelhantes, mas com o propósito de suprir as necessidades básicas de todos;
Com o dia em que os homens terão coragem de investir seus recursos e assumir a responsabilidade pelo gerenciamento de empreendimentos produtivos, não com o desejo único de obter lucro a qualquer preço, na busca frenética e desvairada de concentrar riqueza e poder, mas sim com o objetivo de gerar oportunidades de emprego para os seus semelhantes e seus familiares;
Com o dia em que o homem será capaz de abrir um empreendimento comercial, não só com o objetivo de alcançar lucro desmedido, mas pensando em promover o intercâmbio entre produtores e consumidores, facilitando o acesso destes a produtos que de fato lhes sejam essenciais;
Com o dia em que o lucro ainda será preciso e perseguido, mas não para concentração da riqueza, mas sim unicamente para possibilitar a manutenção, os melhoramentos e as inovações necessárias à continuidade do empreendimento;
Com o dia em que o princípio da reserva mínima existencial será alcançado não por meio de esmolas do Estado (bolsas, rendas mínimas etc), mas sim pela possibilidade de todos terem emprego, conseguindo alcançar renda com seu próprio trabalho, com dignidade;
Com o dia em que a ampliação da produção se fará com respeito à sustentabilidade das fontes dos insumos, sem causar degradação do meio em que vivemos, preservando a terra para morada das futuras gerações;
E esta mudança se fará sem guerra e sem revolução, mas unicamente pela elevação da consciência dos homens. Pela compreensão de que o individualismo exacerbado é a causa de todas as nossas aflições. Pela certeza de que a felicidade, que todos buscamos, jamais será alcançada pela exploração dos nossos iguais, pela acumulação de riqueza e pelo uso desta unicamente para satisfazer os nossos desejos e ambições.
É isto que sonho. Pronto, revelei!

Não se assuste meu amigo,
Não se assombre meu irmão,
Pois os tempos de que vos falo
Muito longe ainda estão.

Com certeza nós não os veremos,
Nem tampouco as próximas gerações,
Pois este dia tão longe está,
Que dele não vemos nem clarões.

Mas talvez antes deste dia raiar,
Já teremos destruído este mundo,
E, quem sabe, a própria vida,
Sem nem saber porque eles existem…

Mas preciso é que deste dia falemos,
Que mais pessoas nele pensem,
Pois o sonho que muitos sonham,
Mais cedo em realidade se transforma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *