Que Futuro nos Espera?

Que Futuro Nos Espera?
J. B. Pontes

O que podemos esperar de um País entregue a uma elite dirigente corrupta e inteiramente descompromissada com os verdadeiros interesses da sociedade? E para complicar ainda mais, possui uma elite conservadora, alienada e sem qualquer sentimento de nacionalidade, que prefere ser cidadão de segunda categoria de uma grande nação do que brasileiro. E um contingente imenso de excluídos, inteiramente apáticos, sem quaisquer condições de exercício da cidadania, por falta de consciência política e social.
Que futuro nos espera? Que sociedade estamos deixando para as gerações futuras?
Sinceramente, não consigo visualizar um futuro maravilhoso para o nosso País, por mais que seja otimista. Aceitamos passivamente a dominação internacional. Nunca conseguimos sequer esboçar um projeto de Nação, uma diretriz coletiva que nos entusiasmasse e pela qual valesse a pena lutar.
Em passado recente, assinamos um atestado de incompetência para gerenciar o nosso patrimônio, preferindo entregar os nossos principais ativos, quase de graça, para o capital internacional. Ao invés de lutar e exigir que as nossas empresas fossem bem administradas, com a profissionalização dos quadros técnicos e dirigentes, afastando delas as influências políticas, preferimos entregá-las ao domínio de grandes grupos econômicos internacionais, que jamais demonstraram qualquer compromisso com os interesses do nosso País.
Relegamos aos brasileiros o papel de empregados e, mesmo assim, empregados de segunda categoria, uma vez que os principais postos estão reservados aos nacionais dos grupos externos.
As nossas riquezas naturais, a exemplo das minas de Carajás, estão sob o domínio de grupos externos e, o que é pior, sendo exportadas in natura para serem processadas, industrializadas, no exterior. São riquezas imensas, capazes de nos posicionar com vantagens no mercado internacional. Mas precisaríamos agregar valores aqui no nosso País e não deixar que sejam exportadas como minério bruto.
É assustador como essa realidade não causa nenhuma preocupação à nossa elite, que chega a desejar que entreguemos o pouco que ainda nos resta. Triste realidade!
O Brasil só será livre e independente quando todos os seus filhos lutarem para alcançar essa vitória, que parece ser almejada, cada vez mais, por apenas uns poucos brasileiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *