Novos Horizontes

Novos Horizontes
J. B. Pontes

Quando estou na solidão,
Devaneios tolos me assaltam,
Então imagino estar no areão,
E que altas ondas me lavam.

Abro minha mente e deixo ir,
Nas águas, pessoas e pensamentos,
Que não mais estão no meu existir
E só me causam estranhamentos.

Deixo que levem as ondas
Para as profundezas do mar,
Mágoas, queixas e milongas,
A ajudar-me delas me libertar.

Esvaziar minha mente,
Minhas feridas sarar,
Novas experiências ardentes,
E outros horizontes alcançar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *